Um Prédio Histórico

foto_cma_2O casarão da Rua XV de novembro nº 247 é um dos poucos prédios do século anterior que ainda resta, guardando em si lances históricos, razão pela qual deve ser preservado em sua estrutura arquitetônica como patrimônio cultural do nosso município.

Construído em 1910 pelo sr. José Bertucci que, embora leigo, adjudicava nesta Comarca, além de utilizá-lo para residência, reservou uma ampla sala abrigando nela Fórum que então passou a funcionar ali.

Em 1915 o sr. José Bertucci alienou o prédio ao então Juiz de Direito, titular da Comarca, Dr. Domingos Marcondes Andrade.

Este juiz quando deixou a magistratura nesta Comarca, alugou o prédio ao Estado para nele funcionar a “Escolas Reunidas de Apiahy” até então o único estabelecimento de ensino na cidade.

foto_cma_4Esta escola, em 1932 passou a denominação de Grupo Escolar de Apiaí em 1940, Grupo Escolar “Gonçalves Dias” e continuou ocupando o prédio até 1952 quando transferiu-se para sua sede própria edificada à Rua Major Carneiro, onde hoje está a Diretoria Regional do Ensino.

Em decorrência da desocupação, a sucessora do Dr. Domingos, sua filha Manoelita Marcondes, viúva do Dr. Mário Guimarães, ao que se sabe, acionou o Estado por implicações contratuais na locação do prédio; por esse motivo o mesmo ficou desocupado e com o decorrer do tempo fora invadido por indigentes e alienados que o depredaram, chegando a ficar em ruínas.

Foi então que o Sr. Alceu Albuquerque Martins, apiaiense nato, filho da Professora Dona Honorina Albuquerque, que lecionou muitos anos ali, onde ele próprio foi alfabetizado, tendo conhecimento e bom relacionamento com os herdeiros sucessores da proprietária já falecida, argumentando que o Poder Público Municipal, à época, não reunia condições financeiras para desapropriação, convenceu-os a restaurar o casarão em ruínas e posteriormente aluga-lo à Câmara Municipal, o que ocorreu, ficando o próprio sr. Alceu encarregado da restauração, tendo o cuidado de conversar externamente a forma arquitetônica primitiva, o que fez com muito esmero.

O Dr. Rubens Calazans Luz, de saudosa memória, quando presidente do Legislativo, em 1986, nominou oficialmente o prédio de “Palácio Mário Guimarães”, título honroso à memória do nobre desembargador, prédio esse adquirido por seu sogro Dr. Domingos Marcondes ao Sr. José Bertucci que o construiu em 1910, como já argumentado.

1001021_379764638790976_1813563598_nEsse imóvel, desde sua construção em 1910 até a saída do Grupo Escolar “Gonçalves Dias” em 1952, esteve destinado à causa pública abrigando Fórum e Escola, excluído o lapso de tempo (1952 a 1986) que ficou abandonado, volta novamente à utilização pública, abrigando agora o Poder Legislativo Municipal para o qual fora readaptado interna e externamente sem prejuízo da estrutura original.

Em 2003, na gestão do presidente Jorge Vanderlei Pingas o prédio foi adquirido pela Câmara Municipal. No ano de 2009, também na gestão do presidente Jorge Vanderlei Pingas, o prédio foi ampliado. Eis o relato histórico desse imóvel que deve ser preservado como patrimônio histórico apiaiense.

Texto: João Cristino dos Santos (Janguito)