Vereador Samuel tem audiência com a Anatel

O presidente da Câmara Samuel Carriel de Lima esteve na ANATEL – Agência Nacional das Telecomunicações cobrando o sinal de celular pra zona rural e já obteve resultado.

“Nós queremos que a Anatel cobre as operadoras de telefonia móvel que operam em nossa região, para que melhorem o serviço, tendo em vista que atualmente a má qualidade e até mesmo a ausência de sinal são constantes, principalmente na zona rural do nosso município”, explica o vereador Samuel do PT.

O município de Apiaí possui aproximadamente mil quilômetros quadrados de extensão, dotado de bairros densamente povoados ao longo de seu território, como é o caso dos distritos de Palmitalzinho, que se distancia 55 km do Centro, Lageado, Araçaíba, Encapoeirado, e uma enorme quantidade de aglomerados rurais que não contam com a disponibilização de serviços de telefonia móvel.

“Nossa solicitação prende-se ao fato de constituir-se em localidades populosas e distantes, polos que têm se desenvolvido bastante nos últimos anos, impulsionado especialmente pelo incremento agrícola e principalmente pelo reflorestamento de espécies como pinus e eucalipto na região. Além do grande número de casas residenciais, o que permitem a fixação de novos habitantes atraídos pela oferta de emprego e mão de obra absorvida no reflorestamento e no cultivo de variedades agrícolas. Portanto, a existência de um sistema de telefonia móvel nos aglomerados rurais é de grande importância para a comunidade”, esclarece Samuel.

A Anatel é o órgão responsável por promover o desenvolvimento das telecomunicações do País de modo a dotá-lo de uma moderna e eficiente infraestrutura de telecomunicações, capaz de oferecer à sociedade serviços adequados, diversificados e a preços justos, em todo o território nacional.

A Agência herdou, do Ministério das Comunicações, os poderes de outorga, regulamentação e fiscalização, além de um grande acervo técnico e patrimonial. Compete à Anatel adotar as medidas necessárias para o atendimento do interesse público e para o desenvolvimento das telecomunicações brasileiras, atuando com independência, imparcialidade, legalidade, impessoalidade e publicidade. Suas decisões só podem ser contestadas judicialmente.