João Paulo incentiva a Campanha “Novembro Azul”

João PauloO vereador João Paulo Cordeiro de Lima indicou ao Prefeito Municipal nº 266 de 2015, em incentivar, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, a campanha denominada “Novembro Azul”, voltada à prevenção da saúde do homem através de exames PSA e outros abrangidos dentro da campanha.

João Paulo explica que “A iniciativa que acontece em todo o País para alertar e conscientizar sobre a prevenção do câncer de próstata, além de destacar os dados da doença no Brasil, que segundo fontes oficiais são registrados, em média, 70 mil novos casos por ano. A campanha quer servir para mudar esses números”.

Estimativas da OMS mostra que o câncer de modo geral continuará aumentando nos países em desenvolvimento e crescerá ainda mais em países desenvolvidos se medidas preventivas não forem amplamente criadas e implantadas. O objetivo da campanha Novembro Azul é levar ao cidadão leigo o conhecimento sobre a saúde em diversas esferas: informação, apoio, conscientização, inclusão social, e quebra de paradigmas, reforçando também o trabalho voltado para a humanização da saúde na luta e combate ao câncer de próstata no Brasil e na saúde do homem.

“Trabalho fundamental de chamar a atenção da sociedade para o autocuidado com a própria saúde. Os homens morrem sete anos antes das mulheres e iniciativas como a campanha Novembro Azul, tanto com relação à saúde do homem e também na prevenção de doenças do coração, são essenciais e eficientes para conscientizar a população, em especial, os homens”, informa o vereador.

Uma pesquisa realizada pela Coalizão Internacional para o Câncer de Próstata (IPCC, na sigla em inglês) divulgou que 47% dos homens com a doença em estágio avançado desconhecem e não dão importância aos sintomas. Ou seja, não comunicam aos médicos e perdem tempo para iniciar o tratamento e aumentar as chances de cura.

Entretanto, detectar os sinais pode não ser tão simples, pois os sintomas não são específicos. Os mais comuns, de acordo com o estudo, são: cansaço (86% são afetados), dores nas costas (82%), dor generalizada (70%), fraqueza (67%) e dificuldade para dormir (62%), além da incontinência urinária. Cerca de 39% dos homens aguentam esses sinais sem recorrer aos médicos durante meses ou até mesmo um ano. Além disso, 34% acreditam que falar sobre sua dor faz com que se sintam fracos e 38% dizem que é difícil falar da dor na qual estão imersos. Já 57% afirmam que a dor ou o desconforto diário é algo que precisam aprender a conviver e 59% afirmam que não sabem se a dor está relacionada com o câncer.